Metais pesados – O perigo mora ao lado

Segundo a NBCI*, metais pesados ​​são definidos como elementos metálicos que possuem uma densidade relativamente alta em comparação com a água. Nos últimos anos, tem havido uma crescente preocupação ecológica e global de saúde pública associada à contaminação ambiental por esses metais. Além disso, a exposição humana aumentou dramaticamente como resultado de um aumento exponencial de seu uso em várias aplicações industriais, agrícolas, domésticas e tecnológicas.
Embora os metais pesados ​​sejam elementos naturais encontrados em toda a crosta terrestre, a maior parte da contaminação ambiental e exposição humana resultam de atividades como mineração e fundição, produção e uso industrial e uso doméstico e agrícola de metais e compostos contendo metais. Todos esses elementos estão presentes no nosso dia-a-dia, mas precisam de concentrações muito altas para nos causar algum mal.

Nós vamos nos ater no  conceito biológico que caracteriza como metais pesados aqueles metais que geram efeitos negativos para a saúde e para o meio ambiente em menores concentrações.
Resumindo: são os metais que não são metabolizados pelos organismos vivos e que tendem a se acumular, causando doenças.

Principais sinais de intoxicação de metais pesados:

  • Fadiga crônica
  • Doenças auto-imunes
  • Fraqueza ou demora na recuperação pós-exercício físico
  • Irritação na pele
  • Problemas neurológicos
  • Dificuldade de concentração, dificuldade de aprendizagem e falta de memória
  • Depressão
  • Ansiedade
  • Demência
  • Insônia
  • Problemas digestivos
  • Dores crônicas, como as associadas à fibromialgia
  • Tremores
  • Controle motor prejudicado, audição, fala, visão e marcha
  • Anemia

Principais Fontes de Metais pesados no cotidiano:

  • Exposição a poluentes ambientais, poluição do ar, contaminação de alimentos, fumaça de cigarro ou radiação.
  • Restaurações dentárias de amálgama de metal (obturações de prata liberam lentamente mercúrio no corpo)
  • Alimentos processados
  • Água potável que está contaminada com vestígios de metais (como o alumínio).
  • Exposição ou uso de substâncias domésticas que transportam mercúrio, tais como adesivos, filtros de ar condicionado, cosméticos, amaciantes de roupas, feltro, ceras de piso e polidores e pó de talco.
  • Tatuagens.
  • Exposição a substâncias que levam chumbo, como alguns chocolates, alimentos enlatados, cremes dentais, tintas antigas, inseticidas, tubos soldados.
  • Uso ou exposição a certos utensílios domésticos, antitranspirantes, fermento em pó, certas fórmulas infantis, brinquedos de plástico, antiácidos, papel alumínio, panelas e frigideiras metálicas, talheres de aço inoxidável, moedas, maquiagem, produtos de limpeza.

Intoxicação metais pesados – como prevenir É possível prevenir e reduzir os danos. Quer saber mais sobre como a
terapia integrativa pode agir nessa prevenção?  Marque uma conversa.

 *National Center for Biotechnology Information (NCBI; em português: Centro Nacional de Informação Biotecnológica) é uma secção da United States National Library of Medicine (NLM; em português: Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos da América), um ramo dos National Institutes of Health (em português: Institutos Nacionais de Saúde), com sede em Bethesda, Maryland

Quando a limpeza intoxica

Você acha que está livre de bactérias, gorduras e etc quando limpa a sua casa e deixa tudo cheiroso? Na verdade, está transformando a sua casa em um depósito de substâncias tóxicas. Os produtos encontrados nos supermercados, mesmo os apresentados como biodegradáveis, são produzidos com matérias primas sintéticas à base de petróleo, altamente tóxicos e que podem ter efeitos nada saudáveis para você e sua família.

Alguns vilões podem ser encontrados nos produtos mais inocentes.

Abaixo apresentamos os químicos mais comuns:

Amônia

Encontrada em uma variedade de produtos de limpeza doméstica – cozinha, banheiro, piso, forno, vidro e polidores. Se o produto tiver pelo menos 5% de amônia, ele deve ser rotulado como venenoso. A exposição a curto prazo à amônia pode irritar, queimar e até mesmo danificar os olhos e a pele. A amônia é irritante para o trato respiratório e provoca tosse, chiado e falta de ar.

Hidróxido de sódio (soda cáustica)

Químico muito usado em limpadores de drenos e fornos, possui ação corrosiva e pode causar forte irritação na pele e nos olhos.

Metanol (formaldeído) e Formol

A exposição ao formaldeído tem demonstrado causar câncer em animais de testes de laboratório. A exposição a quantidades relativamente elevadas de formaldeído em ambientes médicos e ocupacionais tem sido associada a alguns tipos de câncer em humanos, mas o efeito da exposição a pequenas quantidades ainda é incerto (American Cancer Society)

Fosfato

É eficaz no auxílio à limpeza, mas atua nos mananciais como adubo para plantas aquáticas e algas, o que esgota o oxigênio da água.

Tensoativo

Presente nos detergentes, é responsável pela remoção da sujeira. Por lei, deve ser biodegradável, mas continua sendo derivado do petróleo.

Fragrâncias e corantes

São derivados de petróleo, ou seja, sintéticos, que causam alergias e poluem o meio ambiente.

Ftalatos

Comumente encontrados em purificadores de ar. Eles também existem em vinil, vernizes para madeira e lacas. Confundidos com  “perfume” de purificadores de ar, os ftalatos estão associados à ocorrência de problemas reprodutivos em animais silvestres  testados em laboratórios. Em humanos os efeitos foram: surgimento de câncer de mama, desregulação hormonal e diminuição da fertilidade masculina.

Éteres glicólicos

Muito utilizados como solventes de tintas e em produtos de limpeza, têm sido associados, entre outros problemas de saúde, com a redução na contagem de esperma em pintores. A exposição a estes produtos químicos também tem sido associada a asma e alergias em crianças. (Livescience)

Compostos orgânicos voláteis (COV’s):

Encontrados em produtos que deixam a casa perfumada  e em detergentes. Estas substâncias nocivas contribuem para a poluição do ar e estão associadas à asma e câncer.

Bórax

O bórax, também conhecido como borato de sódio, é utilizado, com frequência, na formulação de sabões para lavar roupa ou para a limpeza geral da casa. Estudos científicos revelaram que a exposição prolongada à essa substância tem efeitos negativos sobre a libido e a reprodução.

Mas para não deixar você na mão procurei alguns sites bacanas com receitas e dicas para fazer seus próprios produtos de limpeza ecológicos e livres de substâncias tóxicas.

A família e a natureza agradecem!